quarta-feira, julho 29, 2009

O peso ou a leveza?

"Mas, na verdade, será o peso atroz e a leveza bela?
O fardo mais pesado esmaga-nos, verga-nos, comprime-nos contra o solo. Mas, na poesia amorosa de todos os séculos, a mulher sempre desejou receber o fardo do corpo masculino. Portanto, o fardo mais pesado é também, ao mesmo tempo, a imagem do momento mais intenso da realização de uma vida. Quanto mais pesado for o fardo, mais próxima da terra se encontra a nossa vida e mais real e verdadeira é.
Em contrapartida, a ausência total de fardo faz com que o ser humano se torne mais leve do que o ar, fá-lo voar, afastar-se da terra, do ser terrestre, torna-o semi-real e os seus movimentos tão livres quanto insignificantes.
Que escolher, então? O peso ou a leveza?"

A insustentável leveza do ser
Milan Kundera

Toxic



Depois de ouvir a música supra, também personificada na voz de Britney Spears, confirmei a já desconfiada teoria: é realmente um artista que dá luz ao seu jogo!
Yael Naïm consegue assim desvendar a novidade de uma música, tão já, pop(ularmente) conhecida!

segunda-feira, julho 27, 2009

Oh girls, just wanna have fun


Para quem não sabe sou uma grande apreciadora dos frenéticos 80's, mas, embalada pela versatilidade da música contemporânea, já não me lembrava do início da música electrónica com cheirinho a New Wave e Synthpop.

Obrigada aos quizzs do facebook por me (re)lembrarem destes anos dourados :D


Some boys take a beautiful girl,
And hide her away from the rest of the world.
I wanna be the one to walk in the sun.

domingo, julho 26, 2009

Jeito de ser


Tenho chegado à conclusão que nem sempre me apetece ser simpática.


Gosto de brilho na vida. Cores fortes, contornos perfeitamente delineados, sorrisos estampados, mesmo depois de rasgado o véu e não se ver nenhuma válvula de escape.
Gosto de nervos à flor da pele, transbordes de emoções, comportamentos mais ou menos ortodoxos mas sempre carregados de uma devota paixão em tudo o que se faz.
Sou dada a extremos, cúmplice de atitudes menos próprias onde ponho sempre à prova os limites da realidade. Também minto quando digo o que não sinto e finjo que não sinto para não mais sentir.


Mas não gosto de filosofias baratas, ensaios ao amor, à poesia, à criança que há em nós, à humanidade, à Mulher que não se é, a uma maturidade disfarçada em heróis e heroínas de cinema!


Não passam disso, palavras de mademoiselle em Paris ou qual Pierce Brosnan saído de um 007.

Gosto de valores e até de primeiras impressões, porque nada do que é verdadeiro devia ter um segundo sentido!


Todo o mundo tem seu jeito. Eu tenho o meu!

sábado, julho 25, 2009

F É R I A S

Saltarmos e rirmos na praia
De nadar e apanhar um escaldão

Eu gosto é do Verão :D

quinta-feira, julho 23, 2009

Letra S


"... fazem o mundo girar ao contrário e acordamos com mais incertezas que quando fechamos os olhos.

Mas abre-os, pára, não penses e vê."

Há pessoas assim, fantásticas! Que nos pegam pela mão para apanhar o comboio até ao fim do mundo e voltar no da manhã seguinte! Crentes de que a vida são dois dias, remam sempre na direcção da felicidade, onde há espaço para mais um, e mais um, e mais um...
(de um coração enorme, de uma generosidade gigante!)

Para a Sara,

segunda-feira, julho 20, 2009

Baby

Vamos fugir, p'routro lugar, baby
Vamos fugiiirrrr...

quarta-feira, julho 15, 2009

Sebastianas


Ser y parecer no es lo mismo.
Si mi prefieres, es porque has encontrado que lo que te doy (mi confianza) es de verdade
!

domingo, julho 12, 2009

Tem que valer, valer, viver!


Você é tudo na minha vida

o grande amor,
euquerosersuamenina...


domingo, julho 05, 2009

Cap ou pas cap?

Sinto-me completamente enamorada debruçada nesta película, onde a banda sonora me faz trautear um La vie em Rose como quem acerta em cheio a seta do cupido no cantinho mais direito do coração! De uma insanidade genial, bingo, quando escolho Jeux d'enfants para me fazer companhia!
Um verdadeiro hino à infância que, não obstante toda a carga dramática, faz jus ao mundo dos sonhos, onde os contos de fadas assumem o palco principal e os protagonistas deixam-se abençoar pelo romantismo pouco convencional, mas desmesurado.
Aqui aprendi que não há verdades absolutas, que a poesia onírica depara-se com a verdadeira realidade, mas que o amor, esse arrebatador sentimento que nos isola de tudo o resto, está sempre lá, a percorrer-nos pelo corpo como se fosse uma extensão do que somos!

"Non, non dis rien c'est à moi de parler. Je t'ai manqué ? Parce que toi, tu m'as manqué... T'es un vrai tyran tu sais. C'est tellement dur de te faire la gueule. Mais je t'en veux quand même, te fais pas d'illusion. Je voudrais qu'on parle en oubliant le jeu. Rien qu'une fois. T'aimes ma robe? J'ai hésité, je l'ai chippée à ma soeur, y'en avait une autre rouge, genre bombe thermo-nucléaire, tu vois ? je sais que c'est celle-là que j'aurais dû mettre. J'ai p'tete passé, je sais pas moi, p'tete trois heures devant mon miroir mais j'y suis arrivée tu vois je suis jolie. Et alors là j'espère que ça te plait, sinon je te colle une de ces raclées. Attends chut ! Le problème c'est que, même si tu me disais "j'adore" je te croirais pas. Julien je sais plus quand tu joues et quand tu joues pas. Je suis perdue."

sexta-feira, julho 03, 2009

Em 21

“A vida é uma infindável colecção de testemunhas: precisamos que nos observem, na vitória como no fracasso, precisamos que nos prestem atenção.”

Inês Pedrosa
Nas tuas mãos